CONSULTOR PEDE CONTROLE DA NAVEGAÇÃO ESTRANGEIRA

 

08/07/15 07:57 AM

 

Pós-doutor em regulação pela universidade americana de Harvard, o brasileiro Osvaldo Agripino propôs, no III Fórum de Usuários dos Portos promovido por Usuport-Rio e Portos e Navios, a imediata regulação das atividades de armadores estrangeiros no Brasil. No transporte de containeres – cada vez mais importante no mundo – todos os navios que levam exportações e importações brasileiras são estrangeiros.

– Não propomos xenofobia, mas imitar o que os americanos adotam há 60 anos. Se o frete de um produto americano, de Los Angeles para a China é excessivo, isso não é simples questão comercial, mas algo que afeta os interesses americanos. Do mesmo modo, se um frete de Santos para Miami é discrepante, isso tem a ver com a soberania brasileira – disse Agripino.

Lembrou que grupos de armadores já sofreram denúncias de atuação combinada –
cartelização – nos Estados Unidos, Europa e China. Nos Estados Unidos, a japonesa K line foi punida por combinar frete – “price fixing conspiracy” – e teve de pagar US$ 67,7 milhões. Declarou Agripino esperar ação do Ministério Público e do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) também sobre a aplicação de sobrepreços ao frete, como “demourrage” e THC. A
“demourrage” é taxa aplicada quando há congestionamento dos portos, mas o especialista afirma que muitas cobranças são feitas sem comprovação. A THC é uma taxa de manipulação de cargas que deveria ser cobrada pelos terminais, mas que é paga ao armador – estrangeiro – e só parcialmente entregue aos
terminais, resultando, na prática, em receita extra, sem emissão de nota fiscal, pelas companhias de navegação.

Segundo Agripino, os usuários dos portos estão apenas iniciando
luta por seus direitos – que poderá implicar queda nos preços dos produtos para a sociedade. Os usuários brasileiros passaram a fazer parte de entidade mundial, sediada em Londres, o Global Shippers’ Forum, que reúne exportadores e importadores de dezenas de países.

BARBEITO: MENOS CUSTOS

Do mesmo seminário no Rio participou Washington Barbeito,
empresário que foi dono da Transroll Navegação e de 50% do terminal paulista Tecondi. Barbeito defende a tese de que a melhor maneira de se proteger os exportadores é criar uma frota brasileira que transporte cerca de 30% do comércio e se torne uma concorrente dos estrangeiros.

– Barack Obama relembrou, há dias, que o Brasil é uma potência. E
uma potência precisa de frota. O Brasil deve criar uma nova marinha mercante, a exemplo do que fizeram França e Inglaterra. Os navios serão de propriedade de empresas nacionais, mas a operação será feita em bases internacionais, sem o Custo Brasil – disse. Citou como exemplo a aviação, onde empresas nacionais estão presentes, ao contrário da navegação. Segundo
Barbeito, o que vigora, no mundo, são os custos internacionais, baseados em valores competitivos e o Brasil tem de seguir essa diretriz, pois não pode, como os Estados Unidos, dar subsídios a seus armadores, em dinheiro.

Para Barbeito, os armadores nacionais deveriam poder operar na
costa – cabotagem – em conjunto com rotas internacionais, o que lhes daria mais poder de competição e aumentaria a economia de escala. Propôs uma nova política de marinha mercante e mudanças na atual, onde, segundo ele, agentes financeiros, como o BNDES, assumem poder exagerado, de vida e morte sobre as empresas.

– Um navio brasileiro, que chegasse da Europa, ao desembarcar
cargas em Recife, deveria poder levar containeres de Recife para Santos, otimizando seus custos – disse Barbeito. Ao concluir, afirmou:

– A seu tempo, Inglaterra e Estados Unidos proclamavam suas normas e todos tinham de lhes obedecer. O Brasil não pode se dar a esse luxo e tentar impor sua legislação ao mundo. A saída é criar uma frota de armadores brasileiros, para competir com os estrangeiros e evitar que todo o comércio externo do país, de quase meio trilhão de dólares a cada ano, fique, perigosamente, apenas em mãos de armadores estrangeiros. Segundo ele, o déficit anual de fretes supera US$ 20 bilhões.

SANTA CATARINA

O presidente da associação de usuários de portos de Santa Catarina (Usuport-SC), Jacob Kunzler, afirma que a região está dotada de bons portos, mas o grande entrave é a malha rodoviária, incapaz de permitir o escoamento da produção.

– Os portos da região têm condições de atrair cargas de outros
estados, por sua condição geográfica e baixos custos. No entanto, as obras rodoviárias não produzem efeito e o que se constata é um grande engarrafamento, que prejudica a exportação brasileira.

 

 

 

Fonte: NetMarinha - Sergio Barreto Motta

   

®  UPRJ - SITE DOS USUÁRIOS DOS PORTOS DO RIO DE JANEIRO. Todos os direitos reservados           Site e logomarcas desenvolvidos por André de Seixas