MARINHA MERCANTE | Antáquica

 

30/01/15 12:56 PM

 

 

Vou-me embora pra Antáquica.

Regulado lá não serei

Pegarei a carga que quero

Satisfação alguma darei

 

Vou-me embora pra Antáquica

Fazer o acionista feliz

Dominando o longo curso

Que de forma inconsequente

O reino, insano ou vendido

Deixou aberto a toda gente

Menos aos que são da terra

 

Para eles vale a regra

Têm de ter autorização

Mas de mim nada terão

Não têm um só conteineiro

Que leve ao estrangeiro

A riqueza da Nação

 

Por isso serão dependentes

Terei o poder no mar

Não haverá sobretaxa

Que eu não faça pagar

 

E ainda serei honrado

Bajulado, protegido

Terei na Casa Civil

Um aliado decisivo

Serei afinal um gigante

Grande demais pra cair

 

Vou-me embora pra Antáquica

Lá eu escrevo a lei

Não terá preço o que faço

Serei maior que o rei

 

Poema escrito por um leitor do UPRJ que se identificou como Manuel Bandeira Brasileira

 

 

   

®  UPRJ - SITE DOS USUÁRIOS DOS PORTOS DO RIO DE JANEIRO. Todos os direitos reservados           Site e logomarcas desenvolvidos por André de Seixas